sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Cartas brasileiras: Uma Coisa Leva a Outra


Estando um dia a pesquisar sobre Gondelim encontrei “Portugal Antigo e Moderno”,  livro publicado em 1886, tendo como autor Augusto Soares de Azevedo Barbosa Pinho Leal.

Curioso, deixando de lado o que me levara até ele, passei a folheá-lo ao acaso, quando me deparei com a Rebelião no Convento de Santa Clara, tema da minha última Carta Brasileira.

Fazendo as folhas correrem encontrei o grande incêndio de Lisboa, as penúrias vividas pela corte, o atentado contra o Rei D. José I, em 1758, e por consequência a desgraça dos Távoras; uma família de nobres executada em praça pública, no mesmo dia, por terem, supostamente, participado do atentado. A Marquesa de Távora, D. Leonor, que foi decapitada, teria dado um pito em seu algoz, reclamou, quando ele tentou afastar o colar que ela trazia no pescoço.

Para saber um pouco mais sobre o rei, um link me levou ao Museu da Torre do Tombo, e após a leitura do que me interessava, vi em uma das abas do site uma chamada sobre a Inquisição em Portugal. Na sequência encontrei o processo contra Hyppólito José da Costa; pela minha ignorância, até então, um ilustre desconhecido.

Logo fiquei sabendo, o brasileiro tinha ido para o cárcere por ser “pedreiro livre”, como se intitulam os maçons. A curiosidade ficou mais aguçada porque um grande amigo pertence a essa confraria. Fui então saber que o “réu” vem a ser o patrono da imprensa brasileira.

Para mostrar por completo o achado ao amigo, me meti a transcrever os 156 arquivos digitalizados do processo, e nisso estou até agora metido.

O português utilizado em 1811, ano em que acontece o julgamento, bem como as caligrafias dos escrivães são dificuldades que enfrenta quem se mete a buscar encrenca, na base de uma coisa leva a outra. E, muitas vezes, nem quebrando a cabeça consegui decifrar o que escreveram.

P.T.Juvenal Santos

Notas:
1)    O arquivo do processo contra Hyppólito José da Costa pode ser visto através do link: http://digitarq.dgarq.gov.pt/viewer?id=4522454
2)      Por exigência da fonte, o desenho da execução, de autor desconhecido, foi obtido em


        

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

... e a nossa beleza ardeu


O Penacova Online tem na sua linha editorial a divulgação do património natural e belezas paisagísticas do nosso concelho. Nesta hora de luto, concelhio e nacional, em que jamais esqueceremos o que vimos naquela manhã de segunda-feira passada, autêntico  "day after" apocalíptico, ao percorrer o alto concelho, tragicamente atingido, dizíamos, nesta hora difícil, associamo-nos ao sentimento de Luís Pais Amante, aqui expresso neste texto intitulado "...e a nossa beleza ardeu".
Foi ontem, num dia trágico
Daqueles que não foi Deus que nos deu
Que nas nossas serras e outeiros verdes
Nas nossas encostas florescentes
O inferno aconteceu
Veio travestido de fogo
Intenso
Em bolas
Empurrado por ventos de maré
Suspenso
Monstruoso
Medonho
Desgovernado
Este incêndio malvado
Corria voraz atrás do tempo da paz
Sacrificando-o
Alimentava-se de tudo quanto lhe aparecia à frente
E, num repente
Cortou-nos o cabelo da beleza natural
Sorveu-nos o sangue bom do suor rural
Empertigou-se como se tivesse vida forte
De estupor
E matou-nos gente amiga com nome sem sorte
Nossos conterrâneos, amigos
Causando-nos muita dor
Consternação
E estupefação
O rasto deste abalo intenso e brutal
Que cheirará por aí a massacre sobrenatural
Não pode ficar escondido sozinho no nosso tempo
Nem esquecido na parte mais íntima do nosso pensamento
Terá que ser sempre lembrado como se fosse um desgraçado
... até porque ele nos ofendeu!

Luís Pais Amante
Telheiras Residence
16Out17, 21h30

Horrorizado com o que se passou na minha terra, Penacova


domingo, 8 de outubro de 2017

Pintor João Martins da Costa: depois de Penacova a homenagem em Matosinhos


A primeira exposição retrospetiva sobre a obra do pintor Martins da Costa foi inaugurada ontem em Matosinhos. Até finais de Janeiro pode ser visitada no Museu Quinta de Santiago.


Também o livro “Contos Vividos” foi apresentado ao público “portuense”, depois de ter sido lançado em Penacova em Julho de 2016. Na cerimónia esteve presente Humberto Oliveira, presidente da Câmara de Penacova, entidade que editou a obra, e Álvaro Coimbra, que a partir das crónicas de Martins da Costa publicadas, quer no “Jornal de Penacova”, quer no jornal “Nova Esperança”, idealizou este livro, cuja publicação  contou com o apoio da Família Martins da Costa e a concepção gráfica de Diogo Rocha (OMdesign), neto do artista.

Conforme referiu Helder Pacheco, a obra (e o exemplo de vida deste “homem luminoso”) não pode ficar confinada às colecções particulares, a esta exposição e a este livro. É muito, mas é muito pouco. Deu o exemplo de Júlio Resende e de Nadir Afonso, à volta dos quais existem Fundações e Pólos Culturais, em Gondomar e em Chaves, respectivamente. Neste sentido,  lançou mesmo o desafio para que um projecto semelhante fosse concretizado, precisamente, em Penacova.

Descobrimos nesta exposição João Martins da Costa nascido em Coimbra, habitando no Porto, viajando pelo Mundo, e refugiando-se em Penacova, local onde terá vivido uma infância feliz e cujo abrigo procurou e encontrou, aproveitando as coisas simples da vida, vivendo genuinamente todos os momentos, respirando a beleza pura da natureza.”- escreve  Cláudia Almeida -Museóloga no Museu Quinta de Santiago - no excelente catálogo da exposição que, refira-se, inclui também um texto inédito de Maria Leonor Barbosa Soares sobre a vida e a obra de Martins da Costa.




















quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Desterritorialização e filiação ao lugar: Aldeia da Luz, Vilarinho das Furnas, Foz do Dão…

Ana Maria Cortez Vaz dos Santos Oliveira apresentou em 2011 à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra uma Dissertação de mestrado em Geografia Humana (Ordenamento do Território e Desenvolvimento), onde estuda os processos de desterritorialização e filiação ao lugar. O seu estudo incide na Aldeia da Luz (Alqueva) mas dedica também um capítulo à Foz do Dão.

Escreve esta investigadora na introdução que “a problemática do processo de desterritorialização é pertinente e actual. “ Salienta também que “o vínculo, a filiação, o apego, o laço que nos une a determinado território está sujeito a riscos que podem ter origem em múltiplos factores e circunstâncias como, entre outros, a guerra, a crise económica, o desemprego, qualquer tipo de confinamento espacial, cheias, sismos, movimentos de vertente ou, como no caso que se analisará neste trabalho, a construção de grandes infra-estruturas, como barragens."
Referindo-se à Aldeia da Luz, afirma que “apesar da velha aldeia ter desaparecido na paisagem, esta continua presente na memória e na identidade das populações.”

O mesmo poderíamos dizer da aldeia da Foz do Dão. Nesse sentido, transcrevemos um excerto, aconselhando a leitura integral e o estudo deste trabalho académico.

“A aldeia de Foz do Dão pertencia à freguesia da Óvoa, município de Santa Comba Dão e foi submersa aquando a construção da barragem da Aguieira. Com Foz do Dão, também as localidades de Breda, Senhora da Ribeira e Barra da Asna ficaram submersas pela albufeira da barragem da Aguieira.
A aldeia de Foz do Dão marcava, como o próprio nome indica, o local onde o rio Dão desaguava no rio Mondego. A sua população tinha como principais actividades a agricultura de subsistência, a extracção de areia e a pesca, principalmente de lampreia e sável.
A barragem da Aguieira fechou as comportas em Junho de 1980, dando-se início ao enchimento da respectiva albufeira e posterior submersão das aldeias.
Figura 16- Foz do Dão, aquando a visita do Professor António Salazar à aldeia.
De salientar que a única infra-estrutura que não foi destruída para a submersão da aldeia foi a ponte.
Fonte: fozdodao.blogspot.com, consultado em Maio de 2010.
[Gravura publicada na  pág. 54 desta Dissertação de Mestrado]
Este processo de quebra da topofilia ocorre na década de (19)80, num período politico bastante diferente do vivido no processo de desterritorialização da população de Vilarinho da Furna, embora ambos se caracterizem por serem ex-situ, colectivos e totais. Isto é, os processos implicaram a deslocação da população, atingiram a comunidade, a sociedade das aldeias, e em ambos os casos, houve uma quebra total do vínculo com o território, dado que as aldeias ficaram submersas. No entanto, também não se registaram intervenções de cariz psicológico ou de auxílio e assistência social às populações desterritorializadas.
Uma nota importante e de bastante valor para as populações sujeitas a processos de desterritorialização é a transladação dos corpos que se encontram nos cemitérios destas povoações que serão submersas. Enquanto que em Vilarinho da Furna não houve transladação do cemitério, em Foz do Dão foi autorizado que os indivíduos que quisessem transladar os corpos dos seus entes para cemitérios mais próximos, o poderiam fazer. Houve assim uma mudança também dos territórios simbólicos.

A população que residia em Foz do Dão procurou assim novos territórios e a reterritorialização passou pelos concelhos vizinhos de Penacova, Mortágua e outras localidades no município de Santa Comba Dão. Foi criado entretanto o Bairro Nova Foz do Dão, em Óvoa, que será o lugar com maior concentração de pessoas naturais e antigos residentes de Foz do Dão.
Ao contrário de Vilarinho da Furna, sobretudo da divulgação através das obras de Jorge Dias e de Miguel Torga, Foz do Dão não serviu de representação para escritores ou realizadores, daí que a informação sobre a aldeia, que está submersa seja muito escassa."

 Aceda à obra integral através do link:

Obra de Martins da Costa vai estar exposta em Matosinhos

Mar Sagrado – Tragédia marítima de 2 de Dezembro de 1947”
 é um das mais de quatro dezenas de obras que compõem a exposição.
No próximo dia 7, pelas 17 horas, vai ser inaugurada, no Museu da Quinta de Santiago, em Leça da Palmeira, a exposição “Martins da Costa… [d]aquilo que fica”. O evento, promovido pela Câmara Municipal de Matosinhos, inclui também, pelas 18 horas, a apresentação do livro “Martins da Costa, Contos Vividos”, obra lançada em 23 de Julho de 2016 em Penacova.
“Mar Sagrado – Tragédia marítima de 2 de Dezembro de 1947” é um das mais de quatro dezenas de obras que compõem a exposição.
O site do Município de Matosinhos adianta que a exposição tem um carácter retrospectivo e abarca cerca de cinco décadas da produção artística de Martins da Costa, entre a década de 1940 e o final do século XX.

Refere também que a exposição – que ficará patente até 28 de Janeiro – reúne obras dos acervos do Museu Nacional de Soares dos Reis, do Museu da Faculdade de Belas Artes do Porto, do Museu Municipal de Coimbra, da Câmara Municipal de Matosinhos e de alguns coleccionadores particulares, incluindo trabalhos de pintura e desenho.

Imagens do Penacova Online
publicadas aquando do lançamento do livro em Penacova

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Breve apontamento sobre a proclamação da República em Penacova

A versão corrente dos acontecimentos sobre a implantação da República em Penacova passa, geralmente, pelo relato feito pelo Jornal de Penacova de 8 de Outubro de 1910 e pouco mais. Poder-se-á invocar o Auto de Aclamação onde constam algumas dezenas de assinaturas de muitos penacovenses. Um pouco tidos quase como lendários, poderão ainda ser referidos alguns episódios inusitados como aquele em que Amândio Cabral subiu por uma escada ao telhado dos Paços do Concelho para bem alto içar a bandeira verde-rubra. 

Além do relato oficial que podemos encontrar, quer nas actas das sessões dos órgãos municipais, quer noutros documentos dispersos, dispomos ainda de alguns periódicos locais, onde se destaca o Jornal de Penacova, que – apesar do seu carácter partidário, nalgumas fases da sua existência – nos fornece um vasto conjunto de informações que nos permite compreender melhor as dinâmicas duma época que tem como marca fundamental a mudança de regime político. 

Em Penacova, o republicanismo não nasceu no dia 5 de Outubro, ou melhor, no dia 6, quando nesta vila foi conhecida a notícia. Também aqui, o ideário republicano vinha germinando há alguns anos, por acção de homens formados na academia coimbrã, médicos e juristas, de braço dado com emigrantes chegados do Brasil. 

Ainda na vigência da Monarquia (1908) constitui-se a primeira Comissão Municipal Republicana e no dia 1 de Agosto de 1909 tem lugar o célebre comício de S. Pedro de Alva. Com a implantação da República as adesões aumentam, quer pela acção militante dos núcleos de Penacova e de S. Pedro de Alva, quer pela influência discreta de António José de Almeida, que tinha no concelho um grupo de amigos e simpatizantes e uma tribuna privilegiada de propaganda e de mobilização: o Jornal de Penacova. 
(…)
A 12 de Outubro, pelas 16 horas, toma posse uma primeira Comissão Administrativa Republicana, na sequência do Decreto com força de Lei, de 8 de Outubro, dimanado do Ministro do Interior. Comissão que tinha a seguinte composição: Efectivos: António de Seiça Ferrer de Saldanha Moncada, José Alves de Oliveira Coimbra, José Maria Marques, João António de Almeida, Manuel Correia da Silva, José Pedro Henriques e José Augusto Ribeiro. Substitutos: Bacharel Alípio Barbosa de Oliveira Coimbra, Eduardo Pedro da Silva, Francisco da Costa Gonçalves, Joaquim de Almeida Coimbra, Leonel Lopes Serra, Luís Pereira de Paiva e Pita e Urbano Ferreira da Natividade. 

Preside à reunião José Pedro Henriques, por ser o mais velho dos presentes e ser habitual este procedimento. Uma vez realizado o escrutínio, Amândio Cabral é eleito presidente, ficando António Moncada na vice-presidência.
(…)
As "mexidas" também se verificaram ao nível das freguesias. Nomeadas pelo Governador Civil, sob proposta do Administrador Amândio Cabral, tomaram posse, nos primeiros dias de Janeiro, as respectivas Comissões Administrativas. Registemos apenas os nomes dos presidentes das mesmas: 
Freguesia de Carvalho: António Simões; Figueira: António Gomes de Carvalho; Friúmes: António dos Santos Carril Júnior; Lorvão: Clemente Luís Ralha; Oliveira: Maximino César Augusto Henriques; Paradela: António Oliveira Neves; Penacova: António Casimiro Pessoa Júnior; S. Paio: José Marques da Fonseca; S.Pedro de Alva: Joaquim de Almeida Santos; Sazes: José Manuel de Andrade; e Travanca: Jerónimo Jacinto Henriques. 

Do livro Penacova e a República na Imprensa Local, editado pelo Município de Penacova em 2011, tendo como autor David Almeida e prefácio do historiador Luís Reis Torgal.

Sobre esta obra pode consultar:





quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Batalha do Bussaco foi há 207 anos

Muito se escreveu sobre a célebre Batalha do Bussaco. Em jeito de efeméride, aqui fica um mapa retirado do 3º volume de uma extensa obra sobre a Guerra Peninsular:
v. 1. 1807-1809. From the treaty of Fontainebleau to the Battle of Corunna.
v. 2. Jan.-Sept. 1809. From the Battle of Corunna to the end of the Talavera campaign
v. 3. Sept. 1809-Dec. 1810. Ocaña, Cadiz, Bussaco, Torres, Vedras.
v. 4. Dec. 1810-Dec. 1811. Masséna's retreat, Fuentes de Oñoro, Albuera, Tarragona.
v. 5. Oct. 1811-Aug. 31, 1812. Valencia, Ciudad Rodrigo, Badajoz, Salamanca, Madrid.
v. 6. Sept. 1, 1812-August 5, 1813. The Siege of Burgos; the Retreat from Burgos; The Campaign of  Vittoria; The Battles of the Pyrenees.
v. 7. August 1813-April 14, 1814. The capture of St. Sebastian; Wellington's invasion of          France;battles of the Nivelle, the Nive, Orthez and Toulouse


Duque de Wellington
(gravura publicada no referido livro)


domingo, 24 de setembro de 2017

Grupo Etnográfico de Lorvão preserva em CD património popular musical

Foi hoje lançado o segundo CD do Grupo Etnográfico de Lorvão tendo como título “louro vão". Recorde-se que já o primeiro trabalho discográfico (1999) - “Lauribano” – remetia para a lenda do “loureiro oco”, em torno da toponímia de Lorvão. A sessão, que decorreu no Claustro do Mosteiro de Santa Maria de Lorvão, contou com a presença do Presidente da Federação do Folclore Português, Prof. Doutor Daniel Café. Também presentes na mesa, o Presidente da Associação Pró-Defesa do Mosteiro de Lorvão, Prof. Doutor Nelson Correia Borges, o Presidente da Câmara Municipal de Penacova, Dr. Humberto Oliveira, a Vereadora da Cultura, D. Fernanda Veiga, o Presidente da Junta de Freguesia de Lorvão, Rui Baptista, e também o Editor, Emiliano Toste.

O trabalho agora apresentado e que dá corpo ao 32º volume da coletânea "Folclore Português" inclui vinte temas do repertório do Grupo: CANÇÃO DOS PALITOS, VERDE GAIO DE LORVÃO, MALHÃO DE LORVÃO, AS TRÊS MARIAS, VIRGEM QUERIDA, SÃO JOÃO DE LORVÃO, VIRA DA TI PITORRA, AI LI, AI LI, AI LÉ, VIRA DE LORVÃO, SENHOR LADRÃO, OH QUE PRAIA TÃO LINDA E TÃO BELA, VIRA ESPANHO, LESTALADO, CANTAR AO MENINO, ACORDAI, GLÓRIA IN EXCELSIS DEO, PASTORINHOS DO DESERTO, INFANTE SUAVÍSSIMO, JANEIRAS e MORENINHA.

“Durante séculos ecoaram no estreito Vale de Lorvão as vozes das monjas de S. Bernardo, entoando no coro do seu mosteiro os ofícios divinos, acompanhados pelo som mavioso e potente do órgão, desde ainda antes do dia clarear até o silêncio da noite tudo envolver. Como podiam ficar indiferentes as gerações de Lorvanenses a esta educação musical, a este excitar do sentido auditivo?” - lê-se no folheto que acompanha o CD. 

Continuando a leitura deste texto assinado pelo Professor Nelson Correia Borges percebemos ainda melhor as raízes musicais das gentes de Lorvão, bem como a razão de ser de todo este projecto que conta já com quase três décadas de existência:

“O gosto pela música e pelo canto tornou-se quase genético. As gentes de Lorvão notaram-se pelo seu gosto de cantar, pelas vozes e pela capacidade de tudo lhes “ficar no ouvido”. A própria maneira de falar refletia este gosto pela frase musicada.” 
Foto retirada da "contracapa" do CD

“O património popular musical de Lorvão é uma riqueza pouco vulgar: cantigas religiosas e profanas, cantigas dançadas que atravessaram gerações e seria lastimável deixar cair no esquecimento. Por isso se constituiu o Grupo Etnográfico de Lorvão que mediante um aturado e profundo trabalho de pesquisa e de reconstituição é o garante da preservação deste património imaterial, que mais do que nenhum outro, define e individualiza a mulher e o homem de Lorvão. E neste mundo em transformação cada vez mais acelerada é importante que as gerações vindouras possam construir o futuro sobre raízes solidamente alicerçadas no nosso chão.”

A poucos meses do Ano Europeu do Património Cultural 2018 em que iremos, com mais insistência, ouvir falar da “ligação das pessoas e das comunidades com o seu património, as suas tradições e os seus saberes” e da necessidade de promover cada vez mais todo um conjunto de “estratégias de desenvolvimento local na perspetiva da exploração do potencial do património cultural”, o lançamento deste trabalho vem, antecipadamente, alimentar a esperança e mesmo a certeza de que muito disso é possível, quando uma comunidade (pessoas, instituições, poderes autárquicos) adquire consciência dos seus valores culturais e trabalha no sentido de os conhecer, proteger e conservar.


Fotos: Penacova Online


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Mont’Alto: memórias poéticas de Luís Amante

Foto de Luís Amante, publicada no
Penacova Actual
Mont’Alto


É para a colina que nos encima

Que corremos hoje

E a festa que ali se manifesta

Dar-nos-á prazer e recordação, depois

Levamos farnel às costas ou à cabeça

Água, vinho a granel, broa e panados

Enrolados em papel

Chouriço, febras para assar, tremoços

Bacalhau em pastel

Limonada

Laranjada

Tudo misturado com boa disposição

As moças, no caminho,

Vão “agarradas“ às saias das mães

Mas há outras que lhes fogem e ficam mais à frente

… De repente

Os rapazes aproveitam para as tentar seduzir

Elas ficam tão nervosas que só lhes dá para rir

O nosso Mont’Alto é uma romaria cristã

Centenária

O local é ermo durante quase todo o ano

Só se lhe conhece um vizinho sonhador

Chamado Aviador

Mas o Jovem não se esquece

Do tempo que ali se aquece na manifestação pagã

As toalhas à chegada são bem estendidas no chão

Mais à sombra ou mais ao sol pr’a passar a Procissão

Esta decorre alinhada logo a seguir à missa

Que por vezes é cantada pelo coro sem preguiça

As vendas são apregoadas

As fogaças leiloadas

Os donativos cumpridos

Até que o baile começa antes que ali anoiteça

E todos se vão embora

Ano, após ano, religioso ou profano

Esta vai sendo a nossa boa sina

enquanto Povo

Manter lá alto, na ermida, as tradições

Cozinhar - e regar - cá em baixo as ilusões

Porque isso nos ensina!


Luís Pais Amante
Telheiras Residence
8 Set 17, 19:30

Lembrando uma romaria popular a que ia antes de vir

para Lisboa, agora recordada pelo Prof. David Almeida, que muito estimo.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Travanca: Jardim de Infância assinalou 40 anos ao serviço das crianças

Recorte de notícia  de "A Comarca de Arganil" (7/9/2017)
cujo texto se transcreve a seguir:

Em 14 de Setembro de 1976 abriu em Travanca do Mondego o primeiro Jardim de Infância do concelho de Penacova. Numa época em que a educação pré-escolar era uma novidade nos meios rurais, o Padre António Oliveira Veiga e Costa, atento aos problemas sociais das paróquias que há pouco lhe haviam sido confiadas, tomou em mãos uma obra pioneira e que acabaria por revolucionar a freguesia de Travanca e principalmente o Alto Concelho de Penacova.  As dificuldades iniciais foram vencidas. O Jardim de Infância, que abriu com 25 crianças, passados 5 anos contava já com 40. Entretanto o Centro Paroquial de Bem-Estar Social de Travanca do Mondego ia alargando a sua acção a outras vertentes educativas e culturais: colónias balneares, escola de música, grupo etnográfico, biblioteca, escutismo, grupo coral… Também a criação da Telescola, nos anos 70, por iniciativa daquele sacerdote, completava a dinâmica cultural e educativa que a freguesia estava a viver. Um vasto conjunto de iniciativas que marcaram indelevelmente não apenas Travanca do Mondego mas todo o concelho de Penacova.
Ao terminar o ano lectivo 2016/2017 o Jardim de Infância promoveu, como vinha sendo habitual, a sua Festa de Encerramento. Dado que se assinalavam 40 anos de funcionamento, o Centro Paroquial decidiu alargar o convite a todas as famílias, bem como à Câmara Municipal, Junta de Freguesia e Associação Recreativa e Cultural.
O Encontro-Convívio teve lugar na tarde do dia 16 de Julho. A festa iniciou-se com a actuação das crianças do Jardim de Infância e entrega de diplomas aos “finalistas”. De seguida, o Dr. David Almeida dirigiu-se, em nome da Direcção, a todos os presentes, começando por cumprimentar, de um modo especial, o Dr. João Azadinho, vice-presidente da Câmara e o Sr. Luís Pechim, Presidente da União de Freguesias de Oliveira e Travanca. Saudou ainda todos os elementos do Grupo “Cantar Travanca do Mondego” e do Grupo “Trigo Maduro”, de Figueira de Lorvão, que generosa e simpaticamente se disponibilizaram para dar ainda mais brilho ao programa, que desde a primeira hora se pretendeu que fosse muito simples.
Numa breve alocução, aquele membro da Direcção evocou três palavras, que no seu entender, deveriam ser sublinhadas: Encontro, Memória e Gratidão.  Encontro de gerações, encontro de atuais e antigos “alunos”. Encontro de pessoas, de instituições, de famílias, que ao longo de quatro décadas acarinharam este projecto. Memória de acontecimentos e de pessoas, recordações emotivas de muitos e bons momentos que aqui se viveram.  Gratidão, em primeiro lugar, “para com o grande obreiro do Jardim de Infância, o Senhor Padre Veiga” não esquecendo as pessoas já falecidas que com ele colaboraram de perto no arranque do Jardim: os senhores Eduardo Videira, José Martins dos Santos, Joaquim Fernandes, António Alves Rodrigues e José Duarte Ramos. Foi também recordado o Dr. Eurico Almiro Menezes e Castro, recentemente falecido, e que foi sempre um grande amigo e admirador desta obra e dos seus promotores.

De registar ainda uma palavra de agradecimento às entidades que ao longo destes anos apoiaram o Centro e de um modo especial o Jardim de Infância “reconhecendo sempre o alcance social desta obra e depositando total confiança nos seus responsáveis.”  Gratidão também “para com todas as pessoas que trabalham e trabalharam no Jardim de Infância, quer a título voluntário, quer com vínculo laboral.” Nesse sentido foi, de seguida, prestada uma singela, mas sentida homenagem à actual Educadora de Infância, Celeste Costa, e às suas colaboradoras, Ismália Ferreira, Luísa Duarte e Isabel Santos, “reconhecendo a sua dedicação, o seu empenho e o seu profissionalismo”, conforme ficou gravado nas placas de homenagem que lhes foram oferecidas. Não tendo sido possível reunir todas as pessoas que passaram pelo Jardim de Infância, para elas foi um sentido bem-haja. O reconhecimento e a homenagem estendeu-se também a um travanquense radicado em França, “ao distinto Benemérito, Sr. Júlio Gonçalves Viseu, um Português no Mundo, um Amigo da sua terra” que ao longo dos anos sempre, com a sua inexcedível generosidade, se disponibilizou para apoiar o Jardim de Infância. E, falando de gratidão, é de referir que fica em falta uma justa homenagem à pessoa que durante 40 anos dedicou a sua vida ao bem-estar das centenas de crianças que frequentaram o Jardim de Infância. Falamos da D. Palmira Gonçalves Viseu. Apesar de já ter sido, oportunamente, homenageada pelo Município de Penacova e pela Junta de Freguesia, a paróquia fica-lhe ainda a dever esse gesto.      

O encontro prosseguiu com um lanche partilhado no Adro da Igreja, onde não faltou o porco no espeto e o refrescante fino e contou com a presença de muitas famílias e também do Sr. Presidente da Câmara. Apesar de se perspetivar a curto prazo o encerramento do Jardim, por falta de inscrições, o são convívio, a boa disposição e a amizade, não deixaram de estar presentes.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Cartas brasileiras: a rebelião no Convento de Santa Clara

Clemente VIII era o papa, Filipe III, rei de Portugal, o ano 1602. Jerônimo Rodrigues, natural de Vila Real, "reverendo licenciado", decidiu erguer um convento na vila, dedicado a Nossa Senhora do Amparo, cujas obras foram concluídas seis anos depois. Para lá foram as religiosas de Santa Clara da Vila de Guimarães e de Amarante. 

As noviças eram acolhidas em clausura perpétua, irrestrita obediência, sob as ordens da abadessa nomeada pelo arcebispo ou por eleição trienal, sem recondução ao cargo, votando apenas quem tivesse pelo menos cinco anos de hábito e promessas de voto. O convento chegou a acolher setenta e cinco religiosas, cuja admissão passava pela aprovação da abadessa e do prelado. Por desejo do fundador, uma vaga seria sempre reservada para parente dele sem dote, sem interferência do prelado. 

Em 1718, um episódio monástico, jamais imaginado, agitou a região; as obedientes religiosas, separadas em dois grupos promoveram uma rebelião. Um grupo, comandado pela abadessa e seguido pelas freiras mais idosas, em favor da disciplina claustral, e o grupo das mais jovens; essas últimas pretendendo abandonar o convento. Avisado, o vigário geral compareceu ao convento, após ter feito severa admoestação, retirou-se imaginado ter acalmado os ânimos. 

Contudo, à noite, as rebeldes, tendo avisado seus "protetores" e por eles amparadas, fugiram. Os ditos protetores, esconderam os rostos, protegidos por mascaras; "ignoram-se os nomes daqueles cavalheiros, mas sabe-se, pertenciam às primeiras famílias da terra...". A notícia logo se espalhou. Um jovem frei tentando conter a debandada foi esfaqueado por um dos mascarados. 

No mesmo dia, um tribunal pleno foi instaurado, e S.M. o rei D. Joao V foi comunicado. Por ordem do Rei, foram enviados ao local 100 homens da infantaria e 100 da cavalaria, com ordem determinante, "devassar os acontecimentos". 

Mas, de tudo resultou apenas: o abade foi preso e as duas freiras removidas para outros conventos. E nada mais se falou, não há registros, tanto por envolver poderosos do lugar, como pelo fato de ter sido a estranha ocorrência desairosa para o lugar. 

Em decorrência do decreto de 1834 que acabou com as instituições religiosas em Portugal, o convento deveria permanecer até à ultima freira viva, contudo sem renda, a derradeira foi expulsa, foi tomado de vez 1855, o que era mesmo de se esperar, pois "pelas poucas freiras que restavam, se achavam todas caducas os prestes a caírem nas covas". 

Essa história encontrei em Portugal Antigo e Moderno, Dicionário de Todas as Cidades, Vilas e Freguesias de Portugal, volume XI, páginas 986-990. Publicado em 1886, tendo como autor, Augusto Soares de Azevedo Barbosa PINHO LEAL.


P.S. : ao buscar uma foto do convento, acabo de encontrar isso: Farol da Nossa Terra – LENDA DO DIABO ENTRE AS FREIRAS DE SANTA CLARA – VILA REAL

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Cartas Brasileiras: Parabéns D. Lucília pelas suas 90 primaveras

Lucília Castanheira Batista, natural de Figueira de Lorvão, celebrando
 o  90º  Aniversário junto dos familiares, no Brasil
Minhas primeiras cartas para o blog falavam sobre a partida de residentes dos arredores de Penacova para o Brasil, lá nos primeiros anos de 30.
Lucilia Castanheira, então com 7 anos, com a mãe e irmão deixaram o sagrado solo materno a bordo de um vapor holandês, com destino a Santos, maior porto da América Latina, a pouco mais de uma hora até São Paulo. O desembarque foi no dia 3 de março de 1934. Em 1945, Lucília casou com Eduardo Batista da Silva,  de quem adquiriu o apelido Batista, oriundo de Gondelim, um lugar de Penacova, de onde saíra ainda menino. 
Nascida em Póvoa da Figueira do Lorvão, aos 2 de julho, acaba de completar 90 anos.
Para comemorar a grande data, a dádiva divina da longevidade, seus filhos, Marisia, Marilda, Marineide e José Eduardo, os genros e nora, os netos, bisnetos, os irmãos da aniversariante (Horácio, também nascido em Portugal, Zulmira, Armando e Izabel, os cunhados, cunhadas, sobrinhos, sobrinhas e amigos, se reuniram em um almoço festivo.
Músicas portuguesas animaram o evento, as crianças desenvolveram coreografias nas danças portuguesas. Em local privilegiado, no espaço elegantemente decorado para receber os convivas, um oratório com a imagem de Nossa Senhora de Fátima, presente de um dos netos, trazida de Portugal.
A querida Lucília, minha sogra, é a primeira da família a chegar aos 90 anos; há outros na fila e logo mais, com a graça de Deus, ainda relataremos em Cartas Brasileiras.

ptjsantos@bol.com.br
---------------
Nota da redacção: Para a D. Lucília, vão de Portugal, em meu nome e em nome dos penacovenses que muito a estimam, votos de muitos anos de vida com muita saúde, na companhia dessa família maravilhosa. David Almeida 

sábado, 29 de julho de 2017

10 anos do Penacova Online: nota editorial

Os vários cabeçalhos que o blogue apresentou
ao longo destes 10 anos
O blogue Penacova Online está a completar 10 anos de existência. Estávamos em 2007.  Verificámos que em Penacova, quer a nível da blogosfera, quer a nível de “sites” institucionais o panorama era muito limitado, para não dizermos pobre. No plano noticioso nada existia que duma forma consistente congregasse o que, dispersamente, se ia publicando na imprensa local e regional e noutros meios de comunicação social. Perante isso sentimos que Penacova, também neste aspecto, estava a ficar para trás. Assim, sem interesses lucrativos ou políticos e sem grande aparato tecnológico iniciámos a publicação do Penacova Online.

De 2007 a 2010 tentámos cumprir essa função noticiosa. A partir daí, o site do Município de Penacova passou a fazer a cobertura informativa da vida social e cultural do concelho. Surgiu, entretanto,  o “Aqui-Penacova”, a que se seguiu o “Penacova Actual”, projecto que acabou por se afirmar como  "o jornal " do nosso concelho, em formato digital.

Escrevíamos em 26 de Julho de 2010, ao completar três anos de publicação: “Entendemos que o Penacova Online completa assim um ciclo. O ritmo das notícias, das políticas e das politiquices, das tricas e das fofoquices não se enquadra no nosso formato. Arredados da escravatura do momento e da velocidade do instante, iremos falando, de vez em quando, da história e da cultura de Penacova, bem como das suas belezas naturais.”

E esta é, ainda, a nossa posição. Vamos continuar a linha que temos vindo a seguir nos últimos tempos: mais do que noticiar o dia a dia penacovense, dar primazia à publicação de textos relacionados com a história local e o(s)  património(s) do nosso concelho.

David Almeida

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Reconquinho...

Entrelaçado na/ envolvência de ti/ Rio/ Eu fico aqui em cima a/
Olhar parado/Quase paralisado/ Como se tivesse  muito /Frio/
O teu espelho continua/ Reflector/
O arvoredo circundante/ Nas tuas margens/
Está agora a iniciar/ Um longo processo de dor/ Diletante/ 
A curva da estrada do/Reconquinho/ Está mais cavada, mais/ Curvada, /
 Embora/ Reconfortante/
A Praia fluvial com/Cobertura de geada/
Canta connosco e tira /Suores ao povo/
Que se renova e ali vai/Ficando mais novo/
As formas bizarras das/Canoas/
Trazem colorido sofrido/
E a velha Barca Serrana/Alberga o pescador que/
Ali pesca boga à cana/
Tudo harmoniosamente/Colocado/Tudo estoicamente conservado
/Tudo belo/Para não dizer/Encantado!

Luís Pais Amante
Casa Paraíso, Penacova
3 Dez 16, 9h30
Olhando para o Rio
Mondego


quarta-feira, 5 de julho de 2017

Penacova e Cistierna: conhecer o passado para debater o futuro


Estão abertas as inscrições para o programa “Penacova e Cistierna: conhecer o passado para debater o futuro”, um projeto pioneiro que irá decorrer entre 15 e 22 de julho, em Penacova. Este programa decorre no âmbito da geminação entre os dois municípios, cujo acordo será assinado no dia 17 de julho, data do feriado municipal de Penacova.

O programa tem como objetivo principal proporcionar aos jovens dos dois municípios uma semana de convívio e aprendizagem, dedicada a conhecer a história comum, a cultura e a música, permitindo ainda aos participantes o contacto com uma língua estrangeira. Consiste na realização de workshops e palestras sobre temas relacionados com a música, história e com a União Europeia, bem como atividades lúdicas, culturais e sociais. Inclui ainda visitas a sítios de património, como sejam o Mosteiro de Lorvão e o Museu do Moinho, mas também atividades de desporto e aventura nas praias fluviais do Vimieiro e Reconquinho.

As atividades irão decorrer diariamente, a partir das 10h00 e incluem o almoço. Os workshops irão decorrer no Mosteiro de Lorvão e na Biblioteca Municipal/ Centro Cultural e as atividades culturais noturnas terão lugar no Largo Alberto Leitão, em Penacova.

Do lado espanhol, a maioria dos participantes integra a Banda de Música de Cistierna e do lado português poderá inscrever-se qualquer jovem com residência no concelho de Penacova. Contudo, como parte do programa se relaciona com música, será conveniente que os participantes tenham conhecimentos de música (por exemplo, membros de filarmónicas, grupos de cantares ou grupos corais).

Os interessados em participar no programa poderão inscrever-se online, através do formulário disponibilizado no website do município, (através do linkhttps://goo.gl/forms/yi4JpFHxmdKAfFa62), ou na receção da Biblioteca Municipal/ Centro Cultural.

O projeto “Penacova e Cistierna: conhecer o passado para debater o futuro” foi alvo de uma candidatura ao Programa “Europa para os Cidadãos”, da Comissão Europeia, tendo sido selecionado para cofinanciamento.

Paula Silva
Biblioteca Municipal / Centro Cultural

terça-feira, 4 de julho de 2017

Nos 150 anos da abolição da Pena de Morte: reflexos na história das gentes de Penacova

OS CASOS LUISA DE JESUS E EXPLOSÃO DE PÓLVORA NA CORTIÇA

Estão por estes dias a celebrar-se os 150 anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal. Não sabemos quantas pessoas ligadas a Penacova foram condenadas à pena capital ao longo dos tempos, mas há dois casos que fizeram história: o caso de Luiza de Jesus (natural de Figueira de Lorvão), por ter cometido cerca de 30 infanticídios, e o fuzilamento de 6 penacovenses por envolvimento no episódio da “Queima da Pólvora" na Estrada da Beira, junto à Cortiça.



Luiza de Jesus, uma mulher de 22 anos, ia buscar “enjeitados” à Misericórdia de Coimbra a “pretexto de criação, matando-os e enterrando-os depois, para se aproveitar do enxoval e dos 600 réis de criação pagos adiantadamente!” – pode-se ler na bibliografia sobre o assunto.  Acharam-se enterradas trinta e três crianças, confessando a ré haver garrotado vinte e oito por suas próprias mãos!
Foi atenazada pelas ruas de Lisboa, cortadas as mãos em vida, garrotada e queimada. Corria o ano de 1772. Entre nós a pena de morte era executada geralmente por estrangulamento (forca ou garrote), por degolamento, pela queima do corpo da vitima (vivicombúrio) ou por esquartejamento, atando a vitima pelas quatro extremidades ás caudas de quatro cavalos. De referir também o fuzilamento.
Havia ainda modos de agravar: em vida, o atenazamento, bem como o corte ou mutilação das mãos, o arrastamento da vitima, no percurso, até o sitio da forca. Em casos mais cruéis podia ser arrancado o coração. Depois da morte, era frequente o corte da cabeça, o esquartejamento (as partes eram distribuídas pelos lugares centrais da cidade, ou colocados às portas dela) e noutros casos, era queimado o cadáver.
Assento de Baptismo de Luísa de Jesus (publicado no jornal Expresso)

Saiba mais sobre este caso AQUI e AQUI.

Caricatura representando D. Pedro  e D. Miguel
disputando a coroa portuguesa, por Honoré Daumier, 1833

Passados 61 anos, em 1833, temos notícia do fuzilamento de 6 penacovenses, por motivos políticos: António Homem de Figueiredo e Sousa, natural da Cruz do Souto, freguesia de Farinha Podre,  Padre António  da Maya, natural da Cruz do Souto, freguesia de Farinha Podre, pároco encomendado da freguesia do Covelo de Ázere, Francisco Homem da Cunha, filho de Bernardo Homem e irmão de Guilherme Nunes, do lugar da Cortiça, Francisco de Sande Sarmento, solteiro, natural da Carvoeira, freguesia e concelho de Penacova, Felisberto de Sande, solteiro, natural da Carvoeira, freguesia e concelho de Penacova,  Guilherme Nunes da Silva, filho de Bernardo Homem e irmão de Francisco Homem da Cunha e José Maria de Oliveira, natural da Cortiça, freguesia de Paradela.
Conta-nos Henriques Seco (Memórias do Tempo Passado e Presente – 1880) : “É sabida a perseguição que aos liberais foi feita desde 1828 a 1834. Uma das terras do país que mais sofreu então foi a vila de Midões. Fugindo á perseguição, alguns de entre eles vagavam por diferentes terras da província, e por acaso nos primeiros dias do mês de Agosto de 1832 estacionavam junto à Cortiça (quilometro 42 da estrada de Coimbra a Celorico) onde os povos lhe não eram hostis, e havia também muitos cidadãos comprometidos na causa liberal.”  
Ao fim da tarde do dia 4 de Agosto de 1832, os mesmos liberais foram avisados  que havia chegado à Ponte da Mucela “um troço de quarenta voluntários realistas, vindos de Abrantes, escoltando um comboio de vinte carros com pólvora”. Os liberais envolveram-se e depois de vários episódios (ver AQUI e AQUI) foram perseguidos, presos e por fim, muitos deles, condenados à pena capital. A povoação da Cortiça foi quase totalmente incendiada em 1832 pelas milícias miguelistas que quiseram vingar o assalto ao  combóio de carros de bois carregados de pólvora, proveniente dos paióis de Abrantes e destinada ao cerco do Porto. A pólvora foi seguidamente destruída por explosão nas proximidades da Cortiça e, como não foi possível prender todos os guerrilheiros, sofreram as retaliações os moradores daquela localidade.







Penacova, a Barca Serrana e a Navegação Comercial no Mondego

Mostra de actividades ligadas ao rio e ao barqueiro:
 "Festa do Barqueiro" - Miro  2/7/2017

A navegação comercial no Mondego, que remonta a séculos anteriores, atingiu no século  XVIII um grande desenvolvimento. Prosperidade que se manteve até finais do século XIX quando se iniciou uma fase de decadência, que acabou por levar à sua completa extinção em meados do século XX.

Sobre este tema existe um estudo de Maria Adelina de Jesus Nogueira Seco, apresentado à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, em 1965, enquanto Dissertação de Licenciatura em Ciências Históricas: “A Região de Penacova e a Navegação Comercial no Mondego: subsídios para a história desta navegação”.

Tem como base de investigação um livro de registo de termos de compromisso dos indivíduos que transportavam mercadorias da região de Penacova, passados pelo escrivão desta mesma vila (1773-74), isto é, um conjunto de “termos de fiança das fazendas que levarem guias dos Portos secos da villa de Penacova para qualquer outra Terra do Reyno”. A este conjunto de documentos atribuiu a autora a designação de “Livro de Penacova”.

É com base no excelente trabalho desta penacovense, já falecida, natural do Casal de Santo Amaro, que iremos tecer algumas considerações.

Termo 85: 24 de Agosto de 1773
 Manuel Antunes do lugar do Salão, termo de Arganil,
22 alqueires de sal, “em direitura a vila de Selurico” no valor de 2500 réis.
As mercadorias que das terras mais distantes do litoral se destinavam ao interior das Beiras, eram transportadas pelo Mondego até ao Porto da Foz do Alva (estamos a falar de finais do século XVIII) e daqui por carreiros ao seu destino. Se pelo contrário a origem era o interior, as mercadorias seguiam o mesmo trajecto, mas agora em sentido inverso. O Mondego era a grande estrada comercial.

Os produtos que chegavam à região de Penacova eram essencialmente sal, louça, peixe, azeite e linho. Por sua vez, vinho, milho, fruta, legumes, carvão, castanha e vinagre eram os produtos mais “exportados”.

O sal era, sem dúvida, o mais transacionado. “Na verdade, enquanto outros produtos existiam em maior ou menor quantidade no interior, o sal só poderia ir do litoral, neste caso das salinas da Figueira.” - escreve Maria Adelina Nogueira Seco. “Em 12 de Agosto de 1773 foram carregados no Porto da Foz do Alva 19 carros e no dia 19 dezassete carros. Muito sal num só dia.” - acrescenta.

Além do sal, encontramos o peixe, sobretudo seco, já que o fresco era difícil de chegar às regiões mais longínquas em boas condições, devido à morosidade dos transportes. Há registos de carregamentos de cavala seca a partir do porto da Foz do Alva com destino a várias partes da província da Beira e também do transporte de carros de sardinha para a feira de Viseu.

A louça, sendo Coimbra um importante núcleo dessa indústria, também ocupava um lugar de destaque no conjunto dos produtos comercializados.

Podemos concluir que o produto mais “importado” era o sal. O mais “exportado” era o vinho, com destino a Coimbra, Baixo Mondego e Figueira. Vinho que seria, na sua maioria, produzido na Beira Alta. No entanto, também havia vinho produzido em terras de Penacova. Da leitura da obra em apreço podemos concluir que em 16 de Dezembro de 1773, José Ribeiro, do lugar de Paradela, termo de Penacova, transportou 2 pipas de vinho - “cujo vinho hé do seu labrado”. Vinho que chegou a ser conhecido por vinho da Figueira, dado que era exportado para o estrangeiro através deste porto. Outros produtos que partiam da região de Penacova com destino a Coimbra e Figueira eram o feijão, a castanha e a fruta da época.

Sabe-se o Porto da Raiva dispunha de verdadeiros armazéns, dos quais nos anos 60 do séc. XX ainda existiam ruínas. Os carreiros que se encarregavam dos transportes eram sobretudo das regiões de Penacova, Coja e Arganil.

Mas não só de mercadorias se fazia a navegação comercial. “As próprias pessoas não só da região mas também as que de cavalo ou de carros de bois chegavam da Beira tomavam aqui as barcas em direcção a Coimbra e a outras terras ao longo do rio.” Por exemplo os estudantes que se dirigiam a Coimbra e pessoas que iam até Buarcos nas férias de Verão.

“A Raiva – afirma Adelina Nogueira Seco - ainda em meados do séc. XIX era considerado o porto mais importante de todo o curso navegável do Mondego” e ”durante o séc. XIX e 1ª metade do séc. XX desempenhou o papel de grande entreposto ligando o litoral com a região beirã.” Remonta a esse tempo o Ramal (Estrada Distrital nº 105) que fazia a ligação, na Catraia dos Poços, à Estrada Real nº 12.

Os documentos (séc. XVIII) estudados por Maria Adelina Seco, apontam para o “Porto da Foz do Alva”. Será que no séc. XVIII a Raiva e Porto da Foz do Alva eram a mesma coisa? Não se sabe exactamente. Outro porto, que não pertencia a Penacova, mas fazia parte de toda a dinâmica comercial da época era o Porto da Foz do Dão. Quando o caudal o permitia desempenhava também um papel importante. O “Livro de Penacova” regista que José Gomes, criado de João Silva, afiançou, em Fevereiro de 1774, uma pipa de vinho que “remete de sua caza (Vale da Vinha) para o porto da fós dão, termo de Ovoa.”

Os barqueiros são também na sua maioria naturais das diversas povoações do concelho. Ainda no principio do século XX a vida de muitos habitantes das povoações ribeirinhas estava ligada ao rio. Já o “Livro de Penacova” referia com frequência pessoas de Oliveira do Cunhedo, Penacova, Carvoeira, Miro, Vila Nova, Raiva…

A abertura do Caminho de Ferro da Beira Alta, em 1882, terá sido a causa principal da decadência da navegação comercial (o caminho de ferro, mas também o assoreamento do rio, entre Coimbra e Figueira, a beneficiação das estradas e o aparecimento de empresas de camionagem). A mesma foi morrendo e nos últimos tempos de atividade só a lenha, a madeira e a carqueja eram transportadas sobretudo para Coimbra e “mesmo estas porque seria mais económico que a camionagem”. Havia (na Raiva) um cais para as pilhas de lenha e da madeira e mesmo “uma construção destinada a cubicagem dessa madeira.”

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Não se sabe quando Farinha Podre passou a chamar-se S. Pedro de Alva ?

Foi com surpresa que ao lermos há pouco a notícia do Sarau Medieval que decorreu em S. Pedro de Alva no dia 2 de Junho, nos deparámos com a seguinte observação: "NÃO SE SABE QUANDO A MODIFICAÇÃO DE FARINHA PODRE PARA S. PEDRO DE ALVA OCORREU; MAS HÁ QUEM ADMITA QUE FOI A PARTIR DE 1853". 

É que o livro do Dr. Carlos Proença intitulado "Notícias Históricas de Mondalva", publicado em 1985 é bem claro.  Pelo menos a Junta de Freguesia e a Biblioteca Escolar hão-de ter um exemplar e outras pessoas o conhecerão.  Trata-se de um excelente estudo sobre a História desta região natural situada entre o Mondego e o Alva.

Vejamos a página 17: "Em documento datado de 1141, do qual Frei Manuel da Rocha, no seu tão sugestivo Portugal Renascido , transcreve breve passo, depara-se-nos a mais antiga referência escrita, até agora conhecida, a S. Pedro de Alva, sob o nome de Farinha Podre, que conservou até lhe ser dado o actual em 21 de Fevereiro de 1889, por decreto de el-rei D. Luís I. " Aqui está.

O diploma, publicado no Diário do governo do dia 23 de Fevereiro, assinado por José Luciano de Castro, Presidente do Conselho de Ministros (recorde-se que a ponte de Penacova tem o seu nome) reza assim:

"Atendendo ao que me representaram a junta de paróquia e diversos moradores da freguesia de Farinha Poder, do concelho de Penacova, para que o nome da sede da actual paróquia seja mudado para o de S. Pedro de Alva;
Vistas as informações favoráveis da respectiva Câmara Municipal e do Governador Civil do distrito de Coimbra e o disposto no art. 2º, § 7º, nº 1, do Código Administrativo:
Conformando-me com o parecer do Supremo Tribunal Administrativo;
Hei por bem determinar que a sobredita paróquia passe a denominar-se S. Pedro de Alva. "

Carlos Proença acrescenta ainda um dado importante: " Ao tempo, tinha assento na Câmara dos Deputados, exercendo funções de Secretário, uma das maiores notabilidades da nossa terra, José Maria Oliveira Matos, que desenvolveu pertinaz e valiosíssima acção em favor dos povos do antigo círculo eleitoral de Arganil, que repetidas vezes o escolheram para seu representante nas Cortes do Reino. A adopção, por sua iniciativa ou com o seu patrocínio, do novo topónimo, representaria por certo, no pensamento de Oliveira Matos, o símbolo da vida nova, que desejava para a sua terra natal."

Refere ainda um pormenor curioso: a notícia demorou a chegar a S. Pedro de Alva. No Copiador da Junta de Paróquia, há um registo de correspondência, com data de 27, onde ainda figura o nome abolido. Só em 10 de Março se procedeu a novo registo e aí, sim, já aparece S. Pedro de Alva.
____________

Saiba + sobre o livro de Carlos Proença