domingo, 4 de dezembro de 2016

Cartas Brasileiras: almôndega na banha


Só pode, antigamente os porcos eram mais saudáveis; ainda que porcos.
Hoje parece pecado mortal saborear uma lasquinha de costela. Cuidado com o colesterol!
Eu me lembro bem, era menino. Papai comprava peças do porco, desossava, separava as partes mais gordurosas, moía, punha na panela e levava ao fogo.
Sobravam gordura derretida e torresmo. A gordura apartada e guardada virava banha. O torresmo no arroz ou os pedaços à “pururuca” era de matar, não pelo colesterol, pela delícia.
Somente uma pesquisa científica poderá demonstrar, mas acredito, os suínos de antigamente não tinham colesterol, pelo menos não tanto; meus avós e pais que o digam.
Na lata de banha, mergulhavam almôndegas fritas (bolinhos de carne, porpetas), para que, no dia a dia, pegas com a concha, fossem aquecidas na frigideira, na hora do almoço ou jantar, tudo no fogão a lenha; quem sabe o fogão a lenha eliminasse o colesterol.
Que tempos aqueles.
É, nem tudo se podia. Leite com manga era um veneno. Ou um, ou outro. E mais, fígado e moela eram a mesma coisa; todo mundo queria o fígado.
                                                                                                              Paulo Tarso J Santos
Post scriptum: Desde já quero deixar registrado meu abraço e votos de Feliz natal e ótimo 2017 ao amigo e aos leitores do blog e seguidores do Facebook.


domingo, 27 de novembro de 2016

Reflexo(s): título do novo livro de poesia de Luís Pais Amante

Depois de ter lançado em Março passado o livro de poesia “Conexões", Luís Pais Amante vai apresentar, já no dia 9 de Dezembro, um segundo livro de poemas, desta vez intitulado “Reflexo(s)”.
Apesar de radicado em Lisboa, Luís Amante cultiva laços viscerais com esta terra que o “viu nascer”, que o embalou nos anos da sua meninice e que o recebe também com alguma frequência. Esta ligação forte a Penacova é uma constante na sua obra poética. Podemos desde já afirmá-lo quanto ao novo livro, pois o Penacova Online tem a honra de apresentar, em primeira mão, um dos poemas que dele vão fazer parte: “O que Penacova tem”. Desde já, em nome pessoal e em nome dos leitores deste blogue, o nosso reconhecido obrigado.
Um texto que nos remete para as potencialidades que esta terra tem mas que, (in)compreensivelmente, ainda não soube ou não foi capaz de fazer valer. Estamos também  a recordar-nos da intervenção que teve no colóquio “Mondego Vivo” em 21 de Janeiro de 2012. O Penacova Online esteve lá e fez o registo. Nesse evento, o Dr. Luís Pais Amante apresentou o tema "Penacova - Quem somos e o que pretendemos". Referiu algumas das potencialidades e debilidades do concelho e indicou algumas coordenadas para o futuro de Penacova. Tópicos que designou por “Vectores” e “Âncoras” de “Desenvolvimento”.

Poema "O que Penacova tem" in Reflexo(s), livro a ser lançado no dia 9 de Dezembro

Como dizíamos, Penacova está presente na sua escrita, na sua poesia, mas também naqueles e noutros espaços de intervenção.
“Participar, tanto quanto possível, nas questões da minha terra, constitui‑se para mim como imperativo de consciência” - escreveu, por ocasião do lançamento de “Conexões.

Reflexo(s), o seu novo livro, vai ser apresentado pela Prof.ª Doutora Luísa Branco Vicente, no dia 9 de Dezembro de 2016 às 18 horas, na Associação 25 de Abril, em Lisboa.  

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Farinha Podre e o seu progresso


O concelho de Farinha Podre fora criado havia uns 3 anos. Segundo dados de 1839, este novo agregado administrativo tinha 1357 fogos (Penacova, na altura só com 5 freguesias, teria 1920).

Legislação publicada em 22 de Novembro (fez há dias 177 anos), assinada pela rainha D. Maria II determinou que fosse instalada em Farinha Podre “huma Cadeira de Ensino Primário”. No distrito de Coimbra, na mesma data, foram também criadas, além da actual S. Pedro de Alva,  iguais estruturas em Fajão e Semide (também sedes de concelho) e em Beijós (Carregal do Sal) e Lava-Rabos (actual S. João do Campo).

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Cartas brasileiras: as santas lá de casa

Santo de casa não faz milagre, dizem alguns incrédulos; mal sabem eles.
Em minha casa havia duas santas, minha mãe, milagreira no cotidiano para dar conta dos oito filhos, trabalhar e cuidar da casa, chegou primeiro, junto com seu amor, meu pai, e a outra santa, a imagem da Imaculada Conceição.
Uma linda imagem linda, tinha mais de um metro. Chegou em 26 de maio de 1956, comprada por meu pai em São Paulo. O dinheiro obteve através de uma lista que fez passar entre amigos, como o arrecadado foi maior do que o necessário, dou a sobra para a Matriz do Divino Espírito Santos.
Houve a festa da coroação, teve até banda de música. A coroa banhada a ouro e incrustrada com pedras preciosas foi doação de uma família barretenses; o quantum, por questão de segurança, deixo de informar; a preciosidade tem também valor sentimental, e agora já histórico.
Em uma anotação que deixou, ele nos pediu, quando partisse para junto de mamãe, deveríamos levar a Santa para uma igreja, capela ou entidade religiosa, não queria que fosse para o cemitério; não queria visitas de buscadores de milagres. Ele se foi em agosto de 2007. Assim, seguindo as instruções dele, a Santa foi doada para na Casa da Catequese Paulo VI, localizada na avenida 23 entre as ruas 12 e 14, Barretos.
Por iniciativa, creio que do vigário, no pano de fundo do pedestal onde se encontra a Santa, está escrito: “Eis aqui tua Mãe”. Que lindo!
Mesmo estando tão longe da minha cidade natal, posso rezar e fazer meus pedidos. Aprendemos, é através dela que Deus nos ouve, ainda que não nos responda.Escreveu Exupéry em sua obra inacabada Cidadela: “sabemos que Deus ouve nossas preces quando Ele não nos responde”.
     
P.T.Juvenal Santos – ptjsantos@bol.com.br


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Feira do Mel e do Campo animou fim de semana


A edição de 2016 da Feira do Mel e do Campo encerrou este domingo com um balanço “muito positivo”, reconhecido por expositores e visitantes - lê-se na página oficial do Município. É essa nota de imprensa que publicamos:

Fotos: site do município

"O mel e os produtos do campo uniram-se, no Parque Verde de Penacova, durante os três dias do certame, a muita animação musical, ao tradicional magusto oferecido pelo município e a momentos de franco convívio entre a população local e os visitantes.


Humberto Oliveira, Presidente do município de Penacova, adianta que “muito do sucesso da Feira do Mel e do Campo se deve à forma dinâmica e empenhada, à força, motivação e proatividade, como os expositores e/ou produtores que aqui se encontram ajudam a alimentar e cimentar esta Feira, que se pretende que cresça a cada ano que passa, sendo já, um evento de grande destaque regional, movendo visitantes de vários concelhos vizinhos que apreciam a qualidade do evento e o saber receber do povo penacovense”.
Por seu lado, Fernanda Veiga, Vereadora do Pelouro do Turismo da Câmara Municipal de Penacova, salienta que, “nesta edição da Feira do Mel e do Campo, partilhámos com os visitantes o melhor que se faz no nosso território, no que diz respeito aos recursos primários/endógenos, de uma forma digna e meritória para todos os produtores, destacando, nomeadamente os produtores locais, ajudando a projetar a sua imagem, mostrando o seu dinamismo, e acima de tudo, a qualidade dos seus produtos”.
Fernanda Veiga, destacou igualmente, a qualidade da animação musical, fator de atração adicional ao evento que nesta edição contou com as atuações do Grupo de Concertinas do Caneiro, Grupo de Cavaquinhos da União Popular da Rebordosa, Grupo Cantar Travanca do Mondego, Flora do Mondego, DJ Nuka, Mónica Sintra, Ruizinho de Penacova e Quim Barreiros, que encerraram o certame em clima de grande festa.
Também o Festival Gastronómico “Mês dos Míscaros e do Sarrabulho” marcou presença neste evento fazendo-se representar por alguns dos restaurantes aderentes a esta iniciativa gastronómica do município, que se prolongará até meados de dezembro em 14 restaurantes do concelho e que permite, mesmo aos mais céticos, descobrir uma das maravilhas da gastronomia local."

Fotos: Penacova Online




domingo, 30 de outubro de 2016

A visitar: exposição temporária "Scriptorium Medieval" em Lorvão



O termo “Scriptorium” significa, literalmente, "local para escrever". Nos mosteiros medievais da Europa, o scriptorium era um complemento da bibliotecaA maior parte da escrita monástica era feita em pequenos espaços, em reentrâncias dos claustros ou nas celas dos próprios monges. Sabemos da existência de um importante scriptorium no Mosteiro de Lorvão, onde foram produzidas obras primas hoje consideradas Memória do Mundo pela UNESCO.
Para mostrar um pouco  do mobiliário , dos instrumentos e dos materiais, encontra-se em Lorvão, cedida pela Santa Casa da Misericórdia de Coimbra, uma interessantíssima exposição que nos últimos anos tem corrido o país. Com assessoria científica da Prof.ª Doutora Maria José Azevedo Santos, esta exposição foi estruturada inicialmente no âmbito da exposição "Santa Cruz de Coimbra – A Cultura Portuguesa Aberta à Europa na Idade Média", no contexto das iniciativas Porto Capital Europeia da Cultura 2001.

Imagens da exposição patente em Lorvão

No desdobrável que acompanha a exposição podemos ler:

Entrou num scriptorium. Ou melhor, está num "palco" onde se pretende representar um centro de cópia de manuscritos, de um qualquer mosteiro ou catedral, da Idade Média, no Ocidente Europeu.
Aqui encontra e pode admirar o mobiliário, os instrumentos, os materiais e os utensílios indispensáveis à tarefa complexa e exigente de reproduzir um saltério, uma bíblia, um missal ou outro livro litúrgico.
Em espaços semelhantes a este, foram copiados, de Portugal à Itália, da Espanha à Suiça, milhares de códices.
Copistas, mas também correctores, iluminadores, encadernadores, e outros artesãos da arte de fazer códices, foram os principais responsáveis pela constituição de preciosas bibliotecas que nem a incúria dos homens nem a voragem do tempo conseguiram destruir.

Pelos scriptoria dos séculos VIII a XIII, e por todo o pessoal que citámos, na maior parte dos casos sem rosto e sem nome, mas, igualmente, pelo pergaminho, pelas penas e pelas tintas, passou inquestionavelmente, a divulgação da cultura monástica europeia.
Todavia, desta magnífica empresa de transcrever livros, deram os copistas, muitas vezes, no final das suas obras, um testemunho condoído e melancólico. A grande maioria daqueles homens considerava a cópia uma louvável mas muito penosa tarefa. É a referência à dor, à dor física, que domina os seus desabafos. Uma múltipla dor (dos dedos, da mão, das costas, dos olhos) causada por um trabalho que parecia não ter pressa de chegar ao fim. Como a ideologia cultural da escrita proclama: "Era preciso matar o corpo para que a escrita nascesse.”

O que podemos observar neste conjunto expositivo? (vamos seguir algumas das notas do referido desdobrável):

Mesa de trabalho horizontal (banca), própria para a elaboração de documentos avulsos
Pergaminho - pele de animal que, depois de preparada, proporciona uma superfície com dois lados (o do pêlo e o da carne) para nela se escrever.
Pele de peixe - utilizada para polir os pergaminhos na sua preparação.
Pedra-pomes - rocha vulcânica seca, porosa e leve. Serve para polir o pergaminho e até afiar o bico da pena.




Fac-simile do "Apocalipse de Lorvão" produzido
em finais do séc XII neste Mosteiro e assinado pelo
monge Egeas






Facas - servem para cortar as peles, raspar o pergaminho, talhar as penas, corrigir os erros dos copistas.
Canivetes - instrumentos usados no talhe (dar forma à ponta da pena, geralmente fendida ao meio) das penas das aves.
Cornos - chifres de animal utilizados como tinteiros.
Penas - penas de ave que, depois de serem talhadas nas pontas servem para escrever.
Dedais - objectos para proteger os dedos quando se cose o pergaminho.
Compassos - servem para traçar círculos, medir, ou fazer a pautagem no pergaminho (ponta seca).
Espátula - instrumento de madeira utilizado para juntam as tintas moídas.
Sovelas - instrumentos constituídos por uma espécie de agulha, direita ou curva, com que se faziam os orifícios nas folhas de pergaminho para, unindo-os, estabelecer o pautado.
Caixa destinada a guardar os instrumentos necessários para escrever
Pena talhada - pena de ave, talhada. Com tinta serve para escrever.
Régua - instrumento de madeira utilizado no traçado das linhas rectas.
Tabuinhas enceradas com seu estilete - destinam-se a receber escritos.
Palmatória - castiçal em barro, para colocar velas, que serviam para iluminar.
Ampulheta - instrumento que serve para calcular o tempo (o tempo que a areia gasta em passar de um dos cones para o outro).
Tesouras - serviam para cortar os pergaminhos, os fios e as penas.
Novelos de fio - linha para coser rasgões no pergaminho.
Reprodução de iluminuras antigas - iluminura é um tipo de pintura decorativa aplicado às letras capitulares (letras maiúsculas que iniciam o capítulo). O termo também se aplica aos elementos decorativos e representações que surgem nos livros da Idade Média.
Armário destinado a guardar manuscritos e outras peças relativas à escrita
Almofarizes com seus pilões - serviam para machucar e macerar os bugalhos e gomas arábicas destinadas à preparação das tintas.
Goma arábica - resina produzida por diferentes árvores do género da Acácia. Ingrediente de receitas de tinta de escrever.
Sulfato de ferro - sal metálico utilizado na preparação das tintas deescrever. Associado a um agente tanino (noz de gralha) produz um precipitado castanho ou negro (tinta).
Agulhas - serviam para coser os pergaminhos.
Tábuas - placas de madeira destinadas à encadernação dos livros. Forravam-se com pele ou tecido
Vassouras.
Nozes de galha ou bugalhos - elemento principal na preparação das tintas negras de escrever, porque são ricas em tanino.
Móvel fixo com superfície inclinada. Adapta-se fundamentalmente à cópia de livros permitindo o emprego de folhas de formato grande
Frascos com tintas de escrever - líquidos vermelho e preto.
Candeia - objecto de metal com bico por onde sai a torcida. Deita-se-lhe azeite e acende-se para dar luz.
Penas de ave talhadas - compõe-se de duas partes: a haste e as barbas.

SOBRE ESTA TEMÁTICA VEJA: 

sábado, 29 de outubro de 2016

Apocalipse de Lorvão na Memória do Mundo: um ano depois do reconhecimento da UNESCO


O colóquio comemorativo decorreu no Coro da Igreja
do Mosteiro de Lorvão
Assinalando o  1º aniversário da inscrição, pela UNESCO, dos manuscritos “Apocalipse do Lorvão” e “Comentário ao Apocalipse do Beato de Liébana”, do Mosteiro de Alcobaça, no Registo de Memória do Mundo, no âmbito da candidatura ibérica “Os manuscritos do Comentário ao Apocalipse (Beato de Liébana) na tradição ibérica” realizou-se hoje em Lorvão a segunda parte do colóquio sobre aquela temática, iniciado ontem em Alcobaça.
“O Mosteiro de Lorvão ao tempo da produção do Apocalipse de Lorvão” foi o primeiro tema a ser abordado, com a intervenção de Maria Alegria Marques, professora da Universidade de Coimbra. Seguiu-se “Sancho I e o Mosteiro de Lorvão: contornos de um alegado conflito”, assunto explanado por Maria João Branco, professora da Universidade Nova de Lisboa.
Fac-simile do Apocalipse
de Lorvão exposto em Lorvão
“O Apocalipse de Lorvão na Memória do Mundo. A motivação partilhada no desafio de uma candidatura” foi o tema desenvolvido por Inês Correia, Conservadora-Restauradora do Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Por sua vez, Maria Adelaide Miranda e Maria João Melo, também professoras da Universidade Nova de Lisboa, abordaram “Celebrar a Luz, revelando as cores nos Beatus do Lorvão e Alcobaça. Sereno nutilat. Nubilo euanescit”. A terminar o conjunto de intervenções, Aires Augusto Nascimento,  da Academia das Ciências de Lisboa e Centro de Estudos Clássicos da Universidade de Lisboa, desenvolveu  o tema  “No Silêncio do Claustro: a escutar a voz que preenche a Alma”.
A concluir esta jornada cultural, Maria Alegria Marques apresentou o livro, editado pelo município,  “Os Antigos Códices de Lorvão: balanço de pesquisa e recuperação de tradições”, tendo como autor Aires Nascimento. Teve ainda lugar  um concerto de Órgão pelo organista João Henriques.
De referir que os participantes tiveram a oportunidade de admirar um Fac-simile do Códice Apocalipse do Lorvão (ficando a promessa de em breve poder ser visto aqui o verdadeiro exemplar que se encontra na Torre do Tombo)  e um espaço representativo de um  Scriptorium Medieval.

Aires Nascimento usando da palavra
Na sessão de encerramento esteve presente a Directora Regional de Cultura do Centro, em representação do Ministro da Cultura, que se mostrou preocupada com a sustentabilidade financeira do conjunto monumental que é o Mosteiro de Lorvão, pois os recursos estatais são insuficientes. Quanto ao destino a dar ao espaço que fora ocupado pelo Hospital Psiquiátrico, apesar de reconhecer que existem já algumas ideias, acrescentou mais uma: a criação de um Museu da Língua Portuguesa, que não existe em Portugal. Terminou apelando à participação de todos na resolução desta preocupante questão.



Bibliografia sobre Penacova e Lorvão mais enriquecida com livro apresentado hoje

Foi hoje apresentada a obra “Os antigos códices de Lorvão: balanço de pesquisa e recuperação de tradições”, da autoria de Aires Augusto do Nascimento, professor catedrático jubilado (2008) da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Padre da Sociedade Missionária da Boa Nova. Entre 1990 e 1991 exerceu as funções de presidente do Instituto Português dos Arquivos. De 1994 e 2008 dirigiu o Centro de Estudos Clássicos da Universidade de Lisboa. Grande parte do conteúdo deste livro, agora editado pela Câmara Municipal, já fora publicado em Florença (2014), traduzindo assim a importância dos Códices Lorvanenses, nomeadamente do “Apocalipse de Lorvão” e do “Livro das Aves”, no conjunto das investigações sobre a Idade Média.   A apresentação esteve a cargo da Professora da Universidade de Coimbra, Maria Alegria Marques, também ela autora de estudos sobre aquele cenóbio penacovense.
O currículo de Aires Nascimento conta com  uma extensa bibliografia, inclusivamente sobre Lorvão (1). Participou no processo de candidatura para inscrever o chamado Apocalipse de Lorvão no Património Cultural da Humanidade. Tarefa coroada de êxito pois, a UNESCO, faz agora um ano, incluiu precisamente no Registo de Memória do Mundo aquela obra, integrada na candidatura ibérica designada por “Os manuscritos do Comentário do Apocalipse (Beato de Lièbana) na tradição ibérica”.
Este estudo do Professor Aires Nascimento vem enriquecer o conjunto de publicações que a Câmara Municipal tem vindo a patrocinar nos últimos anos. Apesar de revestir um carácter acentuadamente erudito, não deixa de ser acessível ao público em geral e tal como escreve o autor no prefácio “se o conhecimento contagiar outros, tanto melhor para apreciarem o que é de muitos e deve servir para chegar a muitos: assim haverá cultura mais ampla”.
____

 (1) - O "Comentário ao Apocalipse" de Beato de Liébana: entre gramática e escatologia- In: Euphrosyne Ser. NS, vol. 28 (2000)
Adicionar legenda
- Um novo testemunho do passionário hispànico: un códice lorvanense da primeira metade do século XII ( Lisboa, ANTT, Lorvao, C. F. Livr. 16).Sub luce Florentis Calami: homenaje a Manuel C. Díaz y Díaz / coord. por Manuela Domínguez García, 2002
- Ao encontro do quotidiano: mecanismos para o estudo da expressão latinomedieval através do Liber Testamentorum do mosteiro de Lorvao. (2007) - In: Monarquía y sociedad en el Reino de León. De Alfonso III a Alfonso VII Pt. 1
-  Liber testamentorum Coenobii Laurbanensis / [presentación de Aires A. Nascimento y José Ma Fernandez Catón] / León : Centro de estudios e investigación "San Isidoro" , 2008
- Edição do Cartulário de Lorvão: para a valorizaçao de Património arquivístico comum. (2011) - In: Quando Portugal era Reino de Leão.
- Codices antigos de Lorvão: um manuscrito perdido, mas referenciado. (2014) - In: Wisigothica. After M. C. Díaz y Díaz 

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Importante evento cultural vai ter lugar em Lorvão no próximo sábado


No próximo sábado vai realizar-se em Lorvão  um colóquio comemorativo do 1º aniversário da inscrição dos manuscritos “Apocalipse do Lorvão” e “Comentário ao Apocalipse do Beato de Liébana” do Mosteiro de Alcobaça no Registo de Memória do Mundo pela UNESCO, no âmbito da candidatura ibérica “Os manuscritos do Comentário ao Apocalipse (Beato de Liébana) na tradição ibérica”. O programa começa já na sexta-feira no Mosteiro de Alcobaça.
No dia 29, no Mosteiro de Lorvão, pelas 17H00, será apresentado pela Professora Doutora Maria Alegria Marques, o livro “Os Antigos Códices de Lorvão: balanço de pesquisa e recuperação de tradições”, do Professor Doutor Aires Augusto Nascimento Trata-se de uma edição da Câmara Municipal de Penacova.
Às 18H00, terá lugar um Concerto no Órgão Histórico por João Henriques.
Patentes ao público estarão o Fac-simile do Códice Apocalipse do Lorvão (ANTT, Ordem de Cister, Mosteiro de Lorvão, códice 44), produzido no Scriptorium do Mosteiro de Lorvão (séc. XII), cortesia da Direção Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas e o Scriptorium Medieval, cortesia da Santa Casa da Misericórdia de Coimbra.

PROGRAMA 

28 de outubro MOSTEIRO DE ALCOBAÇA | Sala do Capítulo

15h00 Sessão de abertura Directora-Geral do Património Cultural Director-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas Directora-Geral da Biblioteca Nacional de Portugal Presidente da Câmara Municipal de Penacova Presidente da Câmara Municipal de Alcobaça Presidente da Comissão Nacional da UNESCO (a confirmar)
Moderação: Mestre Ana Pagará  – Directora do Mosteiro de Alcobaça

15h30 “O Arquivo Nacional da Torre do Tombo e o Registo Memória do Mundo, da UNESCO” Dr. Silvestre Lacerda – Director-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas

16h00 “Memória com significado para o Mundo: experiência e incentivo com o Registo da UNESCO” Doutora Maria Inês Cordeiro – Directora-Geral da Biblioteca Nacional de Portugal Dr.ª Ana Cristina Santana Silva – Biblioteca Nacional de Portugal

Coffebreak

16h45 “Um exemplo de colaboração internacional em matéria cultural: o processo de elaboração da candidatura ao Registo de Memória do Mundo da UNESCO dos Comentários sobre o Apocalipse (Beatus) na tradição ibérica. Os manuscritos espanhóis.” Dr. Severiano Hernández Vicente – Subdirector-Geral dos Arquivos Estatais de Espanha

EXPOSIÇÃO OS MANUSCRITOS PORTUGUESES INSCRITOS NO REGISTO DE MEMÓRIA DO MUNDO DA UNESCO, no âmbito da candidatura “Os Manuscritos do Comentário ao Apocalipse (Beatus de Liébana) na tradição ibérica” (2015):
Fac-simile do Códice Apocalipse do Lorvão [ANTT, Ordem de Cister, Mosteiro de Lorvão, códice 44], produzido no Scriptorium do Mosteiro de Lorvão (Século XII) [Cortesia: Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas]
Códice de Alcobaça: Comentário ao Apocalipse do Beato de Liébana [BNP/ ALC. 247], produzido no Scriptorium do Mosteiro de Alcobaça (Século XIII) [Cortesia: Biblioteca Nacional de Portugal]

29 de outubro MOSTEIRO DE LORVÃO | Coro da igreja

11h00 Sessão de abertura
Presidente da Câmara Municipal de Penacova, Director-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, Directora-Geral da Biblioteca Nacional de Portugal, Directora Regional de Cultura do Centro, Directora do Mosteiro de Alcobaça, Presidente da Associação Pró-Defesa do Mosteiro de Lorvão.
Moderação: Dr.ª Paula Silva – Directora da Biblioteca Municipal de Penacova / Centro Cultural

11h30 “O Mosteiro de Lorvão ao tempo da produção do Apocalipse de Lorvão” Professora Doutora Maria Alegria Marques – Departamento de História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

12h00 “Sancho I e o Mosteiro de Lorvão: contornos de um alegado conflito” Professora Doutora Maria João Branco – Instituto de Estudos Medievais, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

13h00 | Pausa para almoço

15h00 “O Apocalipse de Lorvão na Memória do Mundo. A motivação partilhada no desafio de uma candidatura” Doutora Inês Correia – Conservadora-Restauradora, Arquivo Nacional Torre do Tombo

15h30 “Celebrar a Luz, revelando as cores nos Beatus do Lorvão e Alcobaça. Sereno nutilat. Nubilo euanescit” Professora Doutora Maria Adelaide Miranda – Instituto de Estudos Medievais, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa Professora Doutora Maria João Melo – Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

Coffebreak

16h30 “No Silêncio do Claustro: a escutar a voz que preenche a Alma” Professor Doutor Aires Augusto Nascimento – Academia das Ciências de Lisboa e Centro de Estudos Clássicos da Universidade de Lisboa

17h00 APRESENTAÇÃO DO LIVRO “Os antigos códices de Lorvão: balanço de pesquisa e recuperação de tradições”, da autoria do Professor Doutor Aires Augusto Nascimento, pela Professora Doutora Maria Alegria Marques.

17h30 Sessão de encerramento Presidente da Câmara Municipal de Penacova Directora Regional de Cultura do Centro, em representação de Sua Excelência o Senhor Ministro da Cultura

18h00 CONCERTO DE ÓRGÃO pelo organista João Henriques
Programa
Preludio com Fuga, LV 121 Johann Gottfried Walther (1684-1748)
Sinfonia 11, BWV 797 Johann Sebastian Bach (1685-1750)
Toccata in G, BuxWV 165 Dieterich Buxtehude (1637-1707)
Lied, op. 31, no.17 Louis Vierne (1870-1937)
Festive Trumpet Tune David German (1954)

EXPOSIÇÃO
Fac-simile do Códice Apocalipse do Lorvão [ANTT, Ordem de Cister, Mosteiro de Lorvão, códice 44], produzido no Scriptorium do Mosteiro de Lorvão (Século XII) [Cortesia: Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas] e Scriptorium Medieval [Cortesia: Santa Casa da Misericórdia de Coimbra]

sábado, 8 de outubro de 2016

Cartas brasileiras: estrela decadente

Nos últimos treze anos, conduzidos por uma estrela então de esperança, muitos brasileiros com seus votos ajudaram a pintar o mapa do Brasil com a cor vermelha do Partido dos Trabalhadores, a agremiação política do ex-presidente Lula e da recém afastada Dilma.

Vieram as eleições de outubro de 2016, para prefeitos e vereadores; como pano de fundo:
1) as denúncias da Operação Lava Jato, detonadas pelo caso Petrolão (escandalosa corrupção na Petrobras) se alastrou. Mesmo estando ainda apenas no meio do caminho, redundou na prisão de empreiteiros, marqueteiro do PT, políticos, proeminentes dirigentes petistas, ex-presidentes e tesoureiros. E uma constatação: praticamente os mesmos dirigentes envolvidos no caso “Mensalão” o ocorrido no Governo de Lula, do qual o presidente se manteve ileso.
2) O impeachment da presidente Dilma por crime de responsabilidade, depois de o pedido ter sido acatado pela maioria absoluta dos deputados, levado ao Senado, submetido a uma maratona de reuniões, testemunhas na Comissão do Impeachment, teve o relatório aprovado e em seguida aprovado pela maioria absoluta dos senadores.

Outubro de 2016: apurados os votos constatou-se a acachapante do Partido dos Trabalhadores, o povo respondeu com um sonoro “não”, foi como um basta, um repúdio tão grande que ex-presidente não teve prestígio até para ajudar o filho se eleger como vereador na cidade símbolo do petismo: São Bernardo do Campo. No Rio de Janeiro e em Porto Alegre, as candidatas apoiadas por Dilma tiveram desempenho pífio.
Pela primeira vez, a eleição para prefeito de São Paulo, a mais importante cidade do Brasil, foi decidida no primeiro turno; o candidato petista, e atual prefeito (Haddad), mesmo com o apoio pessoal de Lula, conseguiu pouco mais de 16% dos votos (967.190), enquanto Dória (PSDB), sem nunca ter ocupado qualquer cargo político, obteve mais de 53% (3.085.187).

O vermelho, praticamente, sumiu dos nossos mapas; o resultado das eleições é visto como uma prévia do que acontecerá em 2018: eleição presidencial.

Não há como não lamentar o quase fim do que um dia representou, para muitos, a estrela da esperança tornar-se uma estrela decadente.




.